Pequim, Dicas Gerais

On 1 de junho de 2014 by Mari

Neste post vou dar dicas básicas e gerais sobre sua viagem à China. São detalhes básicos que você precisa saber antes de viajar e vão ajudar no seu planejamento.

Melhor época para viajar:

Beijing em um dia de sol

Antes de visitar qualquer região da China, eu recomendo que você pesquise as condições climáticas da cidades no período em que deseja visitá-las. A China é um pais imenso, portanto a temperatura e condições do clima mudam muito de região para região.  Eu estive em Beijing duas vezes no mesmo ano e em épocas distintas: em junhoquando estava muito calor, e em dezembroquando estava muito frioDe forma geral, eu recomendo a época da primavera e verão. Visitar os lugares é muito mais fácil durante o período de calor, pois você não precisa vestir mil roupas e não fica com a mão quase congelada quando vai tirar alguma foto ou fazer um vídeo mais longo. Eu peguei bastante chuva no mês de junho em Pequim, então é importante ter um guarda chuvas e capa, mas isso você compra muito barato por lá. É importante também levar mais de um par de tênis, pois um deles sempre estará molhado e você precisará alterná-los enquanto secam. Embora tenha chovido muito, eu peguei dias lindos, com o céu extremamente azul e também alguns dias cinzas, com a poluição acumulada e aprisionada entre a camada de calor e frio da atmosfera. Se você é uma pessoa que ama frio, ir para Beijing no inverno pode ser uma boa, mas tenha em mente que, se houver neve, você não poderá visitar alguns pontos da muralha da China. Importantíssimo: se você for na primavera ou verão, beba muita água e tenha sempre uma garrafinha com você. Embora chova muito, em alguns dias o clima e a poluição deixam o ar muito seco e é comum você ter algum sintoma a respiratório, como tosse seca.

Onde se hospedar:

Isso depende muito do tipo de viagem que você planeja. Você encontra ótimas promoções de hotéis interessante em sites como booking.com e hoteis.com. Mas, se você tem o mínimo de espírito aventureiro, se está viajando sozinho, se quer conhecer pessoas e se não se incomoda em dividir quarto, eu recomendo ficar em um Hostel. Beijing tem centenas de hostels espalhados pela cidade e você consegue diárias baratas para se hospedar próximo a pontos turísticos. Além do preço convidativo, no Hostel você vai encontrar pessoas de todo o mundo (principalmente Europa), vai ter com quem conversar, vai poder trocar experiências e dicas sobre a cidade, além de ter um local para comer comida ocidental caso você esteja com dificuldades na alimentação.

Dragon King Hostel - minha

Eu passei 20  dias hospedada no mesmo Hostel e posso dizer que foi a melhor escolha que eu fiz. Você pode dividir o quarto com 4, 6, 8 e até 12 pessoas, ou pode ainda pegar um quarto só para você, mas neste caso a diária fica mais cara do que em alguns hotéis. Vale a pena dividir o quarto com mais 3 pessoas, mesmo o quarto sendo misto. Durante o tempo que eu fiquei, dividi o quarto com homens e mulheres e nunca tive problema algum. Todos os quartos tem um pequeno armário onde você pode guardar suas roupas ou bens mais valiosos e trancá-los. Eu tinha uma mala muito grande (pois estava passando 30 dias) e eu a deixava embaixo da minha cama sem me preocupar. Apenas meu dinheiro e coisas mais básicas ficavam trancadas no armário. É interessante destacar que no Hostel não havia só mochileiros que estavam rodando o mundo, havia também famílias com crianças, pessoas mais velhas e algumas que, assim como eu, estavam para trabalhar ou estudar.Eu super recomendo o Hostel que eu fiquei: Dragon King Hostel. A região é excelente, a estação de metro Zhangzizhonglu fica muito perto, tem um 7eleven duas quadras (útil para comprar comida e água) e um comércio bastante farto nos arredoresNa região, você também encontra muito outros hotels – tente o hostels.com. Se tiver tempo sobrando, tire algumas horas e visite dois ou três destes Hostel e se hospede no que te agradar mais. Ela ficam próximos e você ainda pode se aventurar nos hutongs onde eles se encontram.

Alimentação:

um restaurante comum - a comida ficava exposta na rua.

Eu confesso que a minha primeira semana de alimentação não foi nada agradável, mas depois eu simplesmente me apaixonei pela culinária chinesa. Se você tiver dor de estômago ou diarréia, não se assuste, isso é mais comum do que você imagina e vai melhorar com o passar dos dias. Na minha primeira semana, eu não podia nem sentir o cheiro dos alimentos e qualquer comida me dava dor de estômago. Depois, eu tive uma diarréia que durou o restante da viagem. na minha segunda viagem de 30 dias eu não tive nada disso, então posso dizer que seu organismo se acostuma. Se você conversar com outros estrangeiros, vai perceber que estes problemas são muito comuns, pois além da comida e temperos serem diferentes, nós não temos imunidade às bactérias "chinesas". Se seus sintomas forem muito intensos, você pode procurar um hospital e se tratar com medicina alopatica ou acupuntura. Sempre tem algum médico e atendente que fala inglês nos hospitais, o atendimento é excelente e o preço é baixo

Restaurante vegetariano dentro de um shoppingNo café da manhã, eu recomendo que você compre pão e iogurte em um mercadinho qualquer. Vai sair barato e você não precisa se aventurar a comer um macarrão com ovo e tomate logo pela manhã. No almoço e jantar, eu recomendo que experimente a culinária local. Você vai encontrar comidas extremamente baratas em barraquinhas de rua, mas confesso que é preciso um pouco de coragem para experimentar. Eu experimentei estas comidinhas na minha segunda viagem. Eu pagava 1 yuan por um bolinho recheado que eram uma delíciaNos restaurantes, você vai encontrar uma variedade de cardápios e preços, comidas de diversas regiões da China e do mundo. É muito comum encontrar restaurantes com comida tipo árabe, em restaurantes de família muçulmanas.Eu recomendo que você experimente os restaurantezinhos minúsculos e sujinhos de rua onde você encontra chineses comendo, mas também recomendo que experimente locais maiores, mais turísticos e variados. Tente de tudo e, principalmente coma o que os chineses que moram come, vale muito a pena, mesmo que você passe um pouco mal depois.Um restaurate

De forma geral, a comida é extremamente barata. Você pode gastar menos de 20 yuan se pedir apenas um prato de comida nos restaurantes comuns, ou pode pagar mais de 100 yuan se pedir mais pratos em restaurantes maiores. Magostim - experimente! Há também restaurantes vegetarianos excelentes! Vale lembrar que o 7eleven serve uma espécie de marmitex chinês com arroz e mais dois tipos de misturas que eu açhava uma delícia! Você encontra vários Subway pela cidade, não são muito movimentados, mas eles quebram o galho quando você se cansou do tempero chinês. Mac Donalds também são sempre uma opção, mas eu não posso opinar sobre eles, pois não entrei em nenhum.

Sobre as frutas e legumes: se for comprá-las, lave-as muito bem e deixe de molho quando possível. Aproveite para comer as frutas que não são comuns aqui como lixia, blues berries e mangostim.

Transporte:

O transporte público na China é muito barato. Sempre que possível, vá de metro. É rápido, fácil de entender, fácil de se locomover e custa muito pouco (algo entre 1 e 2 yuan, não me lembro mais). Compre um cartão de metro e recarregue-o sempre que precisar. Você pode usar o mesmo cartão para os ônibus, mas a locomoção já não é tão fácil. Você precisa saber exatamente o ponto em que vai parar. Embora todo ônibus tenha uma espécie de mural eletrônico que mostra todas paradas, as vezes elas estão apenas em chinês. Se você não souber a quantidade de paradas que precisa percorrer até chegar ao seu destino, isso pode te prejudicar um pouco, mas não é nada que seja impossível. Nas duas primeiras vezes que eu peguei ônibus, eu não sabia bem em qual estação descer e não sabia o nome em chinês, mas eu pedi informação, encontrei chineses que falavam um pouco de inglês e eles me ajudaram.

Andar a pé vale muito a pena, pois você pode apreciar a diversidade da cidade, as casas, as pessoas e o comércio. É preciso um mapa. O Google Maps foi minha salvação! Mas para usá-lo, você precisa de um chip local com internet e isso você consegue comprar até nas bancas de revistas e mercadinhos.

Para usar os táxis, você precisa do nome do local para onde vai em chinês. As vezes, nem assim o taxista vai te entender e pode ser que ele te leve para outro lugar. Taxistas nunca falam inglês. Se você tiver algum conhecido que explique em chinês o local para onde você quer ir, perfeito. Caso contrário, tenha o nome do local e indicações de como chegar em chinês. Na minha primeira viagem, eu nunca peguei taxi sem alguém que falasse chinês junto pelo simples motivo de que eles me viam na rua e não paravam. Isso pode acontecer, pois quando o taxista vê um ocidental ele nem se arrisca a parar, pois sabe que não vai saber se comunicar.

Este é um rickshaw

Rickshaws (uma espécie de carro misturado com bicicleta) que você encontra pela rua são um meio de transporte diferente e legal de experimentar, mas você precisa pechinchar bem antes, pois a viagem com eles pode sair mais cara do que com o taxista. Nos pontos mais turísticos, eles vão saber as palavras básicas do inglês.

 

Se você se perder ou se precisar de alguma informação, não tenha medo nem vergonha. Faça gesto e fale em inglês. Eles vão fazer outro gesto e te responder em chinês e você vai conseguir a informação que precisa. A comunicação acontece como se fosse mágica.

Para se locomover do aeroporto ao seu hotel ou Hostel

Primeiro, não se preocupe com a chegada ao aeroporto, ele é extremamente bem sinalizado, não tem como se perder. Dentro do aeroporto, você pode pegar um trem que termina em uma estação de metro e de lá pode continuar a viagem de metrô ou taxi. Fazer todo o trajeto de trem e metrô é bem tranquilo, mas só é possível se você conseguir carregar suas malas sozinho, pois você vai andar, subir e descer escadas. A segunda opção é pegar um taxi no aeroporto. Provavelmente vai custar entre 70 e 100 yuan. Neste caso, lembre-se de ter o nome do hotel em chinês.

Importante: Pequim é um país bem seguro. Você pode andar em qualquer região e em qualquer horáio sem se preocupar em ser assaltado. Você vai precisar de um pouco de cuidado apenas em lugares com grandes multidões, como no metrô. Você dificilmente vai ser assaltado na rua, mas pode ter o celular ou carteira furtados dentro do metro se você der bobeira. Isso não é razão para ter medo, apenas um lugar em que precisa ter atenção e deixar seus pertences guardados em sua bolsa.